AMOR...A BASE DE TUDO NA VIDA!

AMIGOS QUE NÃO DÃO PENA, DÃO ORGULHO!

Venha e junte-se a um grupo de amigos que já participam do blog e se preocupam com o nosso país, com as nossas crianças, com a natureza, com os idosos e também com os animais. Faça essa "corrente pra'frente" e se gostar das postagens, COMENTE.Aqui você FAZ A DIFERENÇA! Sejam muito bem vindos!

AMIGOS INCENTIVADORES DO BLOG "BRASIL DÁ PENA" :

sábado, 12 de outubro de 2013

A ETERNA CRIANÇA QUE HÁ EM NÓS

SOMOS SEMPRE ETERNAS CRIANÇAS

Mas que incongruência essa nossa... Quando somos crianças, meninos, meninas, almejamos logo chegar à adolescência, ter a nossa primeira namorada, namorado, termos a nossa vaga "impressão" de independência e até vontade de vestir o jeans, o tênis,pegar a mochila e sair(à solta) pelo mundo., que à primeira vista parecia de sonhos e fantasias, mas ao certo tinha atalhos(e esquinas) perigosos.

Depois da adolescência e do período "aborrecente", vem a faculdade, a formação, a especialização e aí atingimos a idade propícia para o relacionamento mais sério, é quando aí resolvemos casar, ter filhos, e a própria vida vai nos amadurecendo. Os eventuais percalços e mazelas podem até nos causar sofrimento, mas também nos deixam lições que assim vamos passando de geração em geração.

E o que acontece quando então passamos a conhecer o termo geriatra? A idade chegou na verdade até nós sem que nós tenhamos nos apercebido que os passos e a rapidez já não são os mesmos, que os cabelos ganharam um tom prateado que sob a ótica de tantas amigas, só ficam bem no George Cloney... Aí vem a saudade e a nossa incongruência(de novo).

Sentimos uma enorme vontade de sermos(de novo) as mesmas crianças de antes. É quando choramos com as nossas perdas e ausências e quantas e quantas vezes não sentimos vontade de ter novamente o colo de nossa mãe, o afago e a palavra sábia de nosso pai, daquele carinho descompromissado de nossa madrinha e/ou padrinho. É quando "puxamos" pela nossa memória e tentamos relembrar tantas coisas boas passadas em nossa infância, de nossas teimosias, das chamadas malcriações com nossos pais, de nosso primeiro presente de natal, de nosso primeiro dia na escola primária...

Somos sempre eternas crianças diante de nossa própria individualidade, de nosso desejo de que a vida pode até passar como um trator por nós, mas contudo nunca podemos perder esse nosso lado criança e essa eterna vontade de sonhar. Pois é isso que move o nosso bom humor, a nossa sapiência e a nossa eterna alegria em viver!

Desejo que todos os meus amigos, conservem dentro de si, a criança que existe dentro de cada um. Na foto ilustrada, nota-se eu ao centro e todos os amigos que colocaram suas fotos quando crianças. Perceberam???

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS À TODOS!
(Rubi Valente)